quinta-feira, maio 15, 2008

Clic

Quando Indira abriu os olhos estava jogada em um chão quadriculado perto de uma lan house que tocava Roadhouse bues pelas caixas acústicas subwoofer. Foi despertada pelo som do teclado. A primeira coisa que reconheceu foi a lâmpada estragada do poste. Havia sido entortada por tênis de futebol. Alguém sempre joga par de tênis no fio. Mas dessa vez acertara a lâmpada. Tentou mexer o joelho, mas ele estava com cãibras.

Foi aí que ela avistou a mancha cor de abóbora bebê. Pigarreou. Era tanta poluição que o que se inspirava era tóxico, mas ela passou a língua entre os dentes e lembrou que seu salário era compatível com o mercado. Tinha assistência médica, ticket refeição. Ela só precisava ser analista DBA SQL Server 2005.

Foi quando de repente o mundo foi invadido por Nat King Cole e ela lembrou a primeira vez que cantou uma música em inglês. “I see skies of blue.” A perna doía. Foi invadida pela capacidade de não sentir gozo no momento. Enquanto algo picava sua pele, comerciais cruzavam o céu. “Você quer falar com pessoas que têm estilo?”. “Seja diferente, pense.” “Todo dia é dia da gente viver”. Sentiu-se culpada por não sentir-se plena ao pagar a vigésima prestação de seu Ford Ka. A mancha cor de abóbora bebê tocou sua mão. Fez um friozinho gostoso daqueles que sentimos quando elevadores antigos fingem que vão parar. Instalou-se como interseção entre o concreto e o oxigênio. Parecia um rizoma misturado com coisa oca. Encarnação direta do excedente aurático e inefável. Uma cosquinha misturada com choque.

Indira tinha esquecido o filtro solar em casa, o sol mirava sua pele. Ela precisava de um novo celular para se conectar e enviar a última foto tirada quando antes de ontem em algum lugar perto de sua varanda o astro lembrava estilo de vida oriental. Mas a perna doía e a mancha cor de abóbora bebê prendia sua mão. A vontade da felicidade invadiu sua mente. Presa em um invólucro corporal, ela usou sua força mental. Foi como um clic. Deixou sua perna e sua mão no chão quadriculado e foi pulando pela calçada em busca de um sistema de internet que pudesse preencher sua necessidade. O da lan house estava fora do ar.



Link esse texto // 7 Comentários





Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Current Posts


Supercaliflagili...
Stuff no one told me
Post Secret
Mesa de Bar
Sentido Absurdo
O Diário Aberto de R.
Pigs in Maputo
Ventos Verdes
Sabedoria de Improviso
Páprica Doce
Escuridão