domingo, maio 17, 2009

O interior de Zacarias

A mãe dele odiava nomes duplos e americanizados. Por isso o nomeou Zacarias. Vinte anos mais tarde, todos o chamavam de Zach.

Foi o primeiro aluno a decorar o hino dos Estados Unidos aos cinco anos e a lutar pela América sem nunca ter pisado em solo norte-americano aos dezoito. Às vezes Zach se perguntava por que amava tanto uma terra de ninguém, onipresente e masoquista. Seus pais eram patriotas e era um desgosto familiar ver o filho bilíngue. Ele divertia-se na frente da TV acertando todas as perguntas sobre a Guerra Civil, índios xamânicos e atrizes dos anos 20. Sua participação militar acontecera por controle remoto. Destruiu uma vilazinha sem almas no interior do Cudafebf. Deitado em sua cama lá pelas tantas da noite, fechava os olhos e imaginava seu interior. Via seu corpo perder-se pelas estradas, desérticas e com placas pichadas, observadas por coiotes do além.

Verdade, ele via muitos filmes desde o útero materno.



Link esse texto // 8 Comentários

segunda-feira, maio 11, 2009

Amor em tempos de algas

Ela tinha escrito 10 mil vezes seu nome em uma mensagem offline instantânea. Escreveria e mandaria mensagens manuscritas ou em Times New Roman? Passou o dedo na tela e suspirou. De qualquer forma, ele não receberia. Estava apaixonado do outro lado do mundo por outra menina que se encontrava na quarta dimensão polar. Então, ela lambeu os dedos e repetidamente apertou a tecla backspace. Sim, de agora em diante ela só amaria PEIXES.



Link esse texto // 5 Comentários

segunda-feira, maio 04, 2009

O espírito santo humano fraternal

Hungria. Março de 2017. Etienne-Jules Mayer cavucou com as duas mãos o buraco brilhante de areia. As pedras esfareladas adentravam como notas sonoras de blues pré-satânico. Ao longe, uma arara azul cobalto(importada) que observava o movimento.

O país sem saída para o mar seguia seu ritmo constante. Etienne-Jules Mayer porém, não. Ele afinara seu vocábulo da família linguísitca fino-úgrica para expressar seu achado. Em meio a uma calçada vermelha, branca e verde, ele soltou um:

Minden emberi lény szabadon születik és egyenlő méltósága és joga van. Az emberek, ésszel és lelkiismerettel bírván, egymással szemben testvéri szellemben kell hogy viseltessenek!


Era dele. Empacotado, bem lá no fundo, estava um bolo húngaro de abacaxi. Sim, humanos ainda eram amigos.



Link esse texto // 4 Comentários





Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Current Posts


Supercaliflagili...
Stuff no one told me
Post Secret
Mesa de Bar
Sentido Absurdo
O Diário Aberto de R.
Pigs in Maputo
Ventos Verdes
Sabedoria de Improviso
Páprica Doce
Escuridão