quinta-feira, dezembro 31, 2009

Sobra de chuva

Catarina botou os dois calcanhares dentro da poça ali da esquina que vinha do valão. Explodiu no dia 31 de dezembro de 2009. Dizem que a água estava entalhada.



Link esse texto // 2 Comentários

sábado, dezembro 26, 2009

Substantivo feminino

Armesto às vezes ficava sem chão. Como daquela vez que a menina havia passado como um furacão e sem querer o derrubado, encravando a unha de seu dedo do meio. Ele passou dias com o dedo inchado, entalado em um gigante esparadrapo que salientava seu desconforto. Recebeu beijinhos, óleos, aromas e sais terapêuticos. Agora toda vez que alguma menina desajeitada passa, ele cisma de tocar o chão e cantar Malemolência.



Link esse texto // 3 Comentários

quinta-feira, dezembro 17, 2009

O que a vida ensina, ninguém dá

# Você gostaria de ser minha namorada? – o garotinho perguntou.
# Não sei. – ela respondeu - Você tem aquela Internet wireless 2.17 que dá direito a prêmios no Lockerz e que nos ajuda a ganhar tíquetes para shows internacionais e que vem acoplado a uma biblioteca mesclada com música e jogos eletrônicos e 90% de descontos em lojas virtuais e milhas em passagens de avião?
# Não – ele disse.
# Próximo!



Link esse texto // 8 Comentários

sexta-feira, dezembro 11, 2009

Conversa ao pé da letra

Mão para lá, pé para cá.

A: # Essa parte é meio tortinha, né?
B: # É, é assim desde criança.
A: # Você nunca teve curiosidade em saber como ficaria se colocasse do outro lado?
B: # Dói.
A: # Dói muito?
B: # Um cadinho.
A: # Posso tentar?
B: # Mas dói.
A: # Um cadinho.
B: # Ai.
A: # Melhor, não? Mais robusto, firme!
B: # Ai.
A: # Ah, não tira do lugar! Isso broxa!
B: # Por Deus, é um dedo!



Link esse texto // 3 Comentários

domingo, dezembro 06, 2009

Deixe as ruas vazias por mim

Ele gostava dela. Do interior de sua pele, de suas palavras, do nada de sua mente. Ela gostava dele. Do exterior de sua pele, de suas palavras, de tudo de sua mente. Ele a escapelou, deixando uma colorida camada de músculos à mostra. Ela bebeu seus cílios. Intensidade. Seria a alma a vestimenta do corpo ou seria o corpo o interior da alma?

Quando corpos se movimentavam pela esquina, eles apareciam para dar um frisson. Seriam sentimentos meros incômodos? As pessoas desviavam os olhares e eles se sentiam completos ao fazerem os olhos desviados pularem de órbita. Qual mal havia em observar uma mulher com músculo solto e um homem sem cílios? Certo médico afirmara que o que acontecia era uma doença raríssima, em virtude da poluição urbana.

Eu ainda acho que havia um tiquinho de amor.



Link esse texto // 2 Comentários





Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Current Posts


Supercaliflagili...
Stuff no one told me
Post Secret
Mesa de Bar
Sentido Absurdo
O Diário Aberto de R.
Pigs in Maputo
Ventos Verdes
Sabedoria de Improviso
Páprica Doce
Escuridão