sexta-feira, julho 30, 2010

Transporte

Era um cheiro de bala de côco com árvore exterminada por lagartas pretas e amarelas. E desse cheiro vinha não lembranças, mas sensações a fora. Sensações de vontades e desejos. Sensações de perder-se por minutos. Mas além de sensações, vinham as imagens que passavam pela janela do ônibus.

Tom sabia que as imagens passavam, mas não eram as visualizações que o intrigavam, mas a música que invadia seus ouvidos, gravada em alguma parte do mundo e replicada em seus ouvidos por aparelho eletrônico portátil. O ritmo. O silêncio entre as notas e a tristeza de ver as coisas passarem. Porque as coisas passavam e por mais que ele tentasse fixar as imagens na retina, elas não se perdiam, mas passavam, como todas as coisas que se toca e se vê.

Alguns diziam que o mal do século era a solidão. Outros que era a angústia. Outros a singularidade. Para Tom, o mal do século era não ter percepção. Perceber fazia o ar ficar preso. Uma reação química feita de energia. Era como um tapa em mosquito grudado na parede.

O mundo era simples. Como sempre foi. Como sempre seria.



Link esse texto // 2 Comentários

segunda-feira, julho 26, 2010

Fato real

.Ky. -shiikai- diz:
*que raiva é essa, gente xD?
*você é Capricórnio xD?
'de Sá' diz:
*sou, pq?
.C.Ky. -shiikai- diz:
*por conta da frase xD
'de Sá' diz:
*e tem alguma coisa a ver com Capricórnio?
.C.Ky. -shiikai- diz:
*TUDO
*Capricornio é regido por Saturno
*XD
*que é Chronos
*o tempo
'de Sá' diz:
*e aí o quê?
.Ky. -shiikai- diz:
*e o tempo está bem esquisito ultimamente



Link esse texto // 0 Comentários

domingo, julho 25, 2010

Qualquer coisa

Havia um buraco na telha que pingava. Pingos de céu. Pingos de outrora. Pingos de agora. E havia um menininho que botava o cotovelo lá dentro só para se arrepiar.



Link esse texto // 0 Comentários

sábado, julho 24, 2010

Talvez não

As árvores eram fáceis de achar. Difícil era não falar nada.

# Que fiquemos calados, ele pediu.
# Assim seja, outro concordou.

Ficaram como buraquinhos em lascas pretas e brancas em um piano a noite toda.



Link esse texto // 0 Comentários

quinta-feira, julho 22, 2010

A descoberta

Ela descobriu que para atirar na cabeça era só ouvir música em looping.



Link esse texto // 0 Comentários

quarta-feira, julho 21, 2010

THC

Duas amebas em ritmo acelerado.

A1: # E você não consegue mais escrever?
A2: # É.
A1: # Não escreva, lamba.



Link esse texto // 1 Comentários

domingo, julho 18, 2010

Sativa

Conversa de poetas desconhecidos:

P1: Será que nunca vou conseguir maconha fácil na vida?

P1, sobrancelhas levantadas em emoticon.

P2: Você quer vender performance ou livros?



Link esse texto // 1 Comentários

sábado, julho 17, 2010

Canto dos Malditos na Terra do Nunca 01

Já tinha se deitado por cinco dias dos últimos sete com ele. Havia lambido e intoxicado o suor e a pele. No último dia, enjoou e cortou a orelha do cara em pedacinhos. Não mandou pelo correio para ninguém. Simplesmente colocou em um pote e foi vender amoras.



Link esse texto // 0 Comentários

sexta-feira, julho 16, 2010

Nánáná

As palavras que o menino surtado reconheceu enquanto se estrebuchava no chão:

A. b.o.l.a. e.l.é.t.r.i.c.a c.o.n.t.o.r.n.a. o. c.o.r.p.o
E.u. t.a.m.b.é.m.



Link esse texto // 0 Comentários

quinta-feira, julho 15, 2010

...

Ele estava tão bêbado, tão bêbado, que de madrugada levantou para beber água.



Link esse texto // 0 Comentários

quarta-feira, julho 14, 2010

Saudade da Copa 2010

Conversa de padaria. Mulher com buzina, bicicleta e cesto de pão encontra mulher à pé.

À PÉ (apontando para buzina): # Nossa! Ficou animada com o jogo ontem!
À BUZINA: # É.
À PÉ: # Eu também comprei uma ru ru ru, como se fala mesmo?
À BUZINA: # Rururula.
À PÉ: # Pois é, ô bicha que faz barulho.



Link esse texto // 1 Comentários

terça-feira, julho 13, 2010

Carta que invade manhã de chuva

Eu não queria ser doce, mas Zoey, tenho que dizer que as coisas mudaram. Trago notícias do lado da casa que você costumava brincar de caçar libélulas. Sei que você odiava e que fazia isso por mim. Confesso que quando passo por aquele lado ainda vejo as bichinhas amassadas na parede.

Espero seu telefonema, mas ele anda distante. Entendo que talvez você esteja correndo atrás dos coelhos e das canções que um dia cantamos no balanço de madeira. Mas odeio vê-la ir, assim, sem despedidas demoradas, sem voltas apressadas,
sem laços bem amarrados.

Compreendo que o tempo entre as notas é único, mas dê um tempo. Lembre-se que a intimidade não muda com os meses. É algo que se tem ou não. Permita-se. Apareça para comer romãs.

Seu irmão,
Lino.



Link esse texto // 0 Comentários

segunda-feira, julho 12, 2010

Pontudo

Furou os olhos com alfinetes para conseguir dormir. Só conseguiu dor de cabeça.



Link esse texto // 0 Comentários

sábado, julho 10, 2010

Carta para Amélia Luz

Quando reconheci Abu, Amélia, ele estava com os pés fincados na areia. Seus dedos se encontravam com os tatuís e ele olhava o mar. Era o fim do mundo. E como em todo fim do mundo, astros despencavam do céu e ondas gigantes torneavam a praia. Abu continuava ali, sentado, como se nada o atingisse. Estávamos sobrevoando quando vi sua cabeça preta, um ponto perdido. Pensei, ele vai morrer logo, pobre Abu. Mas quando o tsunami atingiu seu corpo e eu fechei os olhos para pensar em como Abu havia me divertido com seus chinelos remendados com pequenos piercings de prego, um pequeno estrondo atingiu nosso veículo aéreo. Abri os olhos e lá embaixo, como se nada tivesse acontecido estava Abu. Ele tinha sobre o rosto uma máscara de mergulho e me acenava com novos chinelos.
Havaianas, as legítimas.

Só para mandar notícias, amor.
João Sério



Link esse texto // 0 Comentários

quarta-feira, julho 07, 2010

Tarde

Tarde. Duas horas. Alguns segundos e todos os milésimos congelados. O pano colorido balançava conforme o tempo corria. Balançava e esticava-se. De dentro trazia algumas cravelhas. Alguma tensão aplicada à corda. Algum eixo de rotação de peça. Algo perpendicular.

Não tinha necessidade de lubrificação, pois a demarcação individual era satisfatória. Mas a mão que agarrou a pureza e ensinou como se fazia era insuficiente. Era uma mão que retirava violência, que ansiava beleza, que cortava sons. Era uma mão que pedia silêncio para as mil coisas que não devíamos saber.

E era dela que os dedos vibravam. Que explodiam calor e frio. Que contornavam o ar pedindo ajuda. Ajuda para acalmar a pele, estabilidade para as imagens e fechamento de olhos para não perder lembranças. Já que lembranças escorregavam conforme iam sendo tocadas. Já era tarde. Duas horas. Alguns segundos e todos os milésimos congelados.



Link esse texto // 0 Comentários

terça-feira, julho 06, 2010

Un bicho en mi pantalla

Ronaldo não sabia que podia entrar inseto dentro do LCD. O bichinho andou nos pixels enquanto ele tentava limpar a tela. Achou que era viagem alucinógena provocada por um alho estragado. Quando o animal facebookeou-se e dissolveu-se entre o virtual e o real, ele achou que a experiência havia terminado. Quebrou um copo no meio. Pzppzpppzppppzpz som de piano no canto da sala explodindo pelas cordas graves. Até hoje coleciona cabeças esmagadas encontradas no fundo de algum resto de supermercado na esperança de visualizar o bailado novamente.

(Participação: Caixa de Comunicação Furada Por Buracos Negros http://www.sentidoabsurdo.blogspot.com/)



Link esse texto // 0 Comentários

segunda-feira, julho 05, 2010

O furo

Eram dois os olhos, furados como buracos em chão de areia. Eles observavam o céu. Furados como meias. E eram do tipo olhos que esfaqueiam. Daqueles que basta uma piscadela que você despenca como dominós em cadeia.

João tinha esses olhos, mas eles os descartava toda vez que anuviava por suas bandas. Gostava só de sentir o cheiro do céu, portanto colocava os olhinhos em um copo transparente de vidro e depois com os dedos abria e fechava as pálpebras. Não via nada, mas tinha prazer em tocar suas próprias íris enquanto no céu uma nuvem pesada rasgava.



Link esse texto // 0 Comentários

domingo, julho 04, 2010

O tear

Ele tinha um aparelho de pontilhar memórias. Algumas vezes ele as remendava só para depois descosturá-las. Aí então calava-se, já que não sabia costurar o silêncio.



Link esse texto // 1 Comentários

sábado, julho 03, 2010

Morro

Eram lisas as pedras no morro. Eufóricas. E a luz do Sol que batia nas partes mescladas parecia uma boca falante. Havia nelas musgo por onde o vento passava e ia e vinha como vapor barato. Havia o espaço por onde algo passava. Um vão. Uma colher de cavidade. Um tiquinho de densidade de ar. O sopro que mexia. Era um quê de paciência que ronda os mundos porque para enxergar as coisas era preciso estender o tempo.

E não era o tempo que corroía as pedras, era a luz e o Sol que surgia.



Link esse texto // 0 Comentários





Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Current Posts


Supercaliflagili...
Stuff no one told me
Post Secret
Mesa de Bar
Sentido Absurdo
O Diário Aberto de R.
Pigs in Maputo
Ventos Verdes
Sabedoria de Improviso
Páprica Doce
Escuridão