quinta-feira, junho 17, 2010

Autoconhecimento

Havia adesivos no porta malas de trás. Estude e trabalhe, era o que meu pai dizia. Estude e trabalhe. Eu nunca estudei. Nem trabalhei. Era poeta morto do mundo.

E como todo poeta morto, eu dissecava corpos. De animais. Porque queria aprender a enxergar por dentro. A descobrir quem eu era na vida passada. Não que isso fizesse muita diferença, mas pelo menos eu teria algo a falar. Porque como todo poeta morto do mundo, eu não tinha mais palavras.

Eu sabia dirigir. Sabia manobrar, frear, acelerar. Ver as coisas passando por janelas empoeiradas. Sabia identificar com rapidez placas e ruas esquecidas. Sabia que as ruas de lama eram menos traiçoeiras que asfaltos polidos. E como todo poeta morto do mundo, eu não sabia para onde ir.

Quando a estrada forçou minha retina naquele fim de mundo lá no canto esquerdo de outrora, um animal apareceu no meio dela. Alto. Grande. Com pelos mesclados e bocarra fétida. Alguns diziam que era um monstro. Outros que era uma anomalia genética. Eu, como todo poeta morto do mundo, saquei meu mosquete e disse: Venha!

A coisa arregalou os olhos e vi que seus dentes tinham tártaro pré-histórico. Aí ele grunhiu como se eu fosse o maior predador do mundo. Eu não gelei, mas uma gota de suor brotou bem no canto de minha orelha.

A bala passou pelo cano de 1 metro e meio sobre a culatra de madeira e atingiu bem o meio dos tantos olhos. Cheguei perto e abri o cérebro com um resto de pólvora. Havia umas gosmas e uns animaizinhos flutuantes. Enrosquei o cano lá dentro para ver melhor. Droga! O sangue me revelava. Eu era um masturbador de porco.



Link esse texto // 3 Comentários





Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010



Supercaliflagili...
Stuff no one told me
Post Secret
Mesa de Bar
Sentido Absurdo
O Diário Aberto de R.
Pigs in Maputo
Ventos Verdes
Sabedoria de Improviso
Páprica Doce
Escuridão